Neste caso, em parte, porque se formou a ideia que os homens lidam melhor com as tecnologias ou porque passar muitas horas em frente a um computador ou jogar jogos não são atividades a que as mulheres se devam dedicar. É um exemplo disso, o importante papel que um grupo de mulheres desempenhou durante a 2ª Guerra Mundial na programação do ENIAC e, o seu posterior afastamento, quando foi necessário voltar a encontrar postos de trabalho para os homens sobreviventes.
 
A realidade atual indica que o número de mulheres nas áreas tecnológicas tem vindo a decrescer ao longo dos últimos anos e em grande parte devido à falta de interesse por esta área nas camadas mais jovens. O estudo da European Schoolnet conclui que muitas jovens abandonam os estudos nesta área após o ensino secundário devido aos estereótipos, à falta de exemplos de referência e à falta de conhecimento da realidade dum emprego nesta área.
 
Muitas iniciativas (como os Shadowing Days ou o Código de Melhores Práticas para Mulheres e TIC) têm emergido numa tentativa de inverter estes números, mas a verdade é que a escassa presença de mulheres em eventos tecnológicos, quer como participantes, quer como oradoras, não ajuda a combater os estereótipos nem a afirmar a existência de mulheres neste sector pela disseminação do seu trabalho.
 
Foi precisamente este facto que motivou a fundação do movimento Girl Geek Dinners por Sarah Lamb em 2005, do qual a comunidade Portugal Girl Geek Dinners é uma extensão portuguesa. O movimento pretende criar um espaço para as mulheres que trabalham em e são aficionadas por tecnologia, de forma a reforçar os laços e a partilha de conhecimento entre estas, mas também para motivar mais jovens mulheres para o seu envolvimento em carreiras tecnológicas.
 
O conceito tem sido bem recebido em diversos países e conta atualmente com mais de 90 grupos espalhados por 32 países. Apesar de um dos objectivos consistir em incentivar o networking entre mulheres, os eventos são também abertos a acompanhantes masculinos.
 
Em Portugal, a comunidade foi criada e reuniu-se pela primeira vez em Fevereiro de 2010 e conta já com 7 encontros/eventos que se realizaram no Porto e em Lisboa. À semelhança do que aconteceu no último evento no GeeksLab do Afurada Valley, estes encontros são normalmente temáticos e consistem de uma média de 3 apresentações de oradoras(es), seguidos de um jantar convívio.
 
Dado o interesse que estes encontros têm despertado em mulheres com carreiras no sector tecnológico e mesmo noutras áreas, vamos alargar os encontros também a Leiria, Braga e Coimbra. O próximo jantar é já a 24 de Setembro em Leiria e, desta vez, pretendemos abordar a temática do aparente distanciamento que existe entre as mulheres e a área tecnológica.
 
Girl Geek Dinner :: definitely does compute
 
Créditos de imagem: Victor Cardoso